Cadê a pesquisa?

“Muito legal a sua ideia! Mas e a pesquisa, cadê?” Comece pela pesquisa, sempre. Não sabe como? Aqui é o guichê certo.

kd
@cadeapesquisa é o Instagram para seguir dicas e boas práticas de pesquisa, sem pular a fase zero de qualquer ideia ou projeto.

Pesquisar para ter experiências (e conhecimento) e ampliar o repertório criativo. Meu trabalho é despertar a sua mente pesquisadora. Curiosos já somos por natureza. Pesquisar é humanizar: buscar histórias e se aproximar da essência das pessoas. Não é um conceito, é prática: uma experiência para construir uma relação de intimidade e cuidado, ajudar pessoas a viverem melhor, com mais consciência.

O conhecimento permite mudanças profundas, oportunidade para criar e crescer. Os 3 principais benefícios de aprender pesquisa centrada no ser humano: Melhorar a vida das pessoas: base para o design com a intenção de minimizar ou solucionar problemas das experiências humanas. Criar projetos comercialmente viáveis com foco em conforto emocional, psicológico, e espiritual; Cultivar relações mais transparentes: aproximar-se das reflexões do mundo atual e ouvir as dores do seu público. As pessoas mudam o tempo todo. O mundo? Também. Sua marca se adapta às mudanças e é verdadeira ao se comunicar?; Diversificar sem excluir: rever padrões e achismos, aumentar o repertório, analisar algo de uma perspectiva mais ampla e universal – incluir, abraçar.

 

Como eu posso ajudar você?

  • “Quero treinar um time”. Para a marca que quer aprender mas ser independente. Que quer uma equipe estruturada e treinada para começar a pesquisar. Não sabe por onde começar? Precisa organizar os materiais que já tem antes de sair em busca de mais dados? Quer transformar informações em conhecimento e construir novos insights? Juntes, vamos “organizar a casa” e criar o processo de pesquisa ideal para o seu negócio. Depois, vem a etapa de ensinar a nova equipe, integrar às áreas e acompanhar a pesquisa  ‘mentalidade ativa da pesquisa’ ganhar força.
  • “Quero aprender a pesquisar profissionalmente”. Porque é isso que todos somos, mesmo que com poder de compra. Não sabe quem são, de verdade, as pessoas que você dedica seu trabalho? Qual a diferença entre público, cliente, consumidor e usuário? Mergulhar no desafio de entender esses agentes que estão te dando atenção, interesse, intenção de compra. Para você se relacionar melhor com as pessoas e trabalhar com foco nelas! Pero sin perder la ternura.
  • “Quero uma faísca da cultura da pesquisa”. Aula. Workshop. Intensivo. Destravar a habilidade para estudar comportamento humano pelo conhecimento da neurociência. Ativar o senso observador e analítico sobre o público. Pessoas que não são invisíveis e querem ser notadas. O melhor formato para quem está curioso para aprender conceitos e exercícios introdutórios. Com colaboração e emoção.

É pesquisa de mercado, então? Não.

Não é fazer matriz SWOT ou avaliar a concorrência e estratégias do mercado. Eu sou a pessoa que vai te levar para a rua, fora do conforto, para conhecer e entender as pessoas com profundidade, e 1) ensinar você o que fazer com o que você aprendeu com essas pessoas e 2) como aplicar esse conhecimento no seu projeto (marca, negócio, etc). Você fica independente para fazer pesquisa de comportamento. Pesquisar aumenta as chances de sucesso de uma escolha. Você ainda vai errar, mas menos ou melhor. Soa como dinheiro que você não tem; tempo que não pode perder. Porém, evita retrabalho e bastante desgaste emocional. 

E cadê a neurociência na pesquisa?

Fenômenos psicológicos e culturais não devem ser reduzidos apenas às origens biológicas. Não é isso que a neurociência moderna faz. O cérebro é o órgão mais complexo do corpo, dando origem ao sistema nervoso que rege nossos estímulos, movimentos, reações e respostas. Como neurocientista, pesquiso os aspectos biopsicossociais para ajudar a indústria criativa a entender pessoas, o comportamento do consumidor, e então criar coisas que melhorem a vida humana. Para estudos em profundidade, uso métodos e tecnologias da neurociência, que é multidisciplinar e permite novas conexões.

A luta é para melhorar essa realidade. O que não significa ter mais coisas, mas ser mais feliz.

Pepe Mujica